Gastronomia em campo


Estádio de futebol não é apenas esporte, é possível saborear uma variedade de comida bem típica

Estádio de futebol não é apenas esporte, é possível saborear uma variedade de comida bem típica

Não há como esconder: a gente adora se ver no meio de uma tribo, da nossa tribo, se reconhecer no outro e ter nossas preferências reafirmadas pelo outro. Deve ser herança indígena. Foi na tarde de quarta-feira que o movimento começou, vindos de todos os lados, uniformizados, vindos de trem da zona leste, descendo dos metrôs, a pé pelo viaduto, dentro dos carros, uns cumprimentavam os outros sem medo da habitual sisudez paulistana.

39 mil pessoas encheram de verde e branco o novo estádio do Palmeiras, o Allianz Parque. Nem se parece com um campo de futebol, mais se parece com uma arena de shows, aliás, esse bem poderá ser o destino daquele estádio, a ver pela deprimente falta de espetáculo do futebol apresentado pelo time…

Bem, tudo, exceto o futebol, funcionou impecavelmente bem, um contraste diante das outras inaugurações de estádios: inacabados, banheiros insuficientes, falta de comida. Não ali, estava tudo pronto e funcionando de forma satisfatória. Falo de 47 pontos distintos para venda de comida e bebida, por exemplo. Quaisquer das rampas de acesso tinham banheiros e pontos de venda, logo, as filas, quando haviam, eram mínimas.

O estádio estava lotado de crianças e mulheres, achei até demais! No metro quadrado onde eu estava, éramos 5 mulheres e 7 homens. Muitos pais com seus filhos, que se orgulhavam pela lição vistosa de masculinidade e de responsabilidade por ser torcedor do time do pai, como a perpetuação de alguma regra essencial.

Mas vamos às comidas do Allianz Parque. Infelizmente não há nada de muito criativo, pelo jeito o estádio vai se adaptar ao fácil, nada típico paulistano. Diferentemente de alguns outros estádios que ainda alimentam uma certa culinária, coisa que vem desaparecendo aos poucos. É o caso do Mineirão, que servia um feijão tropeiro maravilhoso, e agora, só um feijão com farinha, e dizem, sem nenhuma imaginação.

No entanto, dá para matar a fome e a sede. Tem água, refrigerante, energéticos e cerveja, mas sem álcool. Não sei se vocês se lembram do quiproquó todo envolvendo a venda de bebida alcoólica dentro dos estádios? Pois é, no Brasil é proibida a venda. E com a popularização das novas cervejas sem álcool a coisa toda parece ter se ajeitado.

Para comer, os indefectíveis Elma Chips. Mas, de forma bem simpática, também tinham saquinhos de pipocas de verdade e não aquelas horríveis feitas na gordura hidrogenada, como as de micro-ondas. E os sanduíches pareciam deliciosos e bastante asseados – o de rosbife foi o que me pareceu melhor. Havia ainda de bacon, alface e tomate e, claro, um vegetariano fazendo a alegria da mulherada. Chocolates kit kat e suflair e picolé Dileto. Ou seja, dá pra sair do trabalho, assistir ao futebol e fazer uma boa boquinha.

Ah! E nunca é demais avisar, embora houvesse tantas mulheres, o ambiente continua sendo um reduto masculino e, ciosos por atender perfeitamente aos códigos de honra daquela tribo, xingaram ininterruptamente durante os 90 minutos da partida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s